quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Estudo liga infidelidade masculina a QI mais baixo


Homens que traem as esposas e namoradas tendem a ter QI mais baixo e ser menos inteligentes, segundo um estudo publicado na revista especializada Social Psychology Quarterly. De acordo com o autor do estudo, o especialista em psicologia evolutiva da London School of Economics, Satoshi Kanazawa, “homens inteligentes estão mais propensos a valorizar a exclusividade sexual do que homens menos inteligentes”.
Kanazawa analisou duas grandes pesquisas americanas a National Longitudinal Study of Adolescent Health e a General Social Surveys, que mediam atitudes sociais e QI de milhares de adolescentes e adultos. Ao cruzar os dados das duas pesquisas, o autor concluiu que as pessoas que acreditam na importância da fidelidade sexual para uma relação demonstraram QI mais alto.
De acordo com o estudo, o ateísmo e o liberalismo político também são características de homens mais inteligentes.

Evolução
Kanazawa foi mais longe e disse que outra conclusão do estudo é que o comportamento “fiel” do homem mais inteligente seria um sinal da evolução da espécie. Sua teoria é baseada no conceito de que, ao longo da história evolucionária, os homens sempre foram “relativamente polígamos”, e que isso está mudando.
Para Kanazawa, assumir uma relação de exclusividade sexual teria se tornado então uma “novidade evolucionária” e pessoas mais inteligentes estariam mais inclinadas a adotar novas práticas em termos evolucionários – ou seja, a se tornar “mais evoluídas”. Para o autor, isso se deve ao fato de pessoas mais inteligentes serem mais “abertas” a novas ideias e questionarem mais os dogmas.
Mas segundo Kanazawa, a exclusividade sexual não significa maior QI entre as mulheres, já que elas sempre foram relativamente monogâmicas e isso não representaria uma evolução.
Fonte : BBC

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Cortando o cordão umbilical: Os problemas de sua família não são seus

A família é nosso primeiro meio social, é onde construímos e nutrimos nossas primeiras relações e também onde iniciamos nosso desenvolvimento do Eu. Os vínculos costumam se desenvolver de forma intensa, por vezes nos tornando cuidadores e defensores de nossa família.
Acontece que muitas vezes esses laços se constituem de forma a não estabelecer limites a essas relações, tornando-as disfuncionais.

Família disfuncional? O que é?    
“Uma família disfuncional é aquela que responde as exigências internas e externas de mudança, padronizando seu funcionamento. Relaciona-se sempre da mesma maneira, de forma rígida não permitindo possibilidades de alternativa. Podemos dizer que ocorre um bloqueio no processo de comunicação familiar”. Fonte: Boa Saúde
Em muitos casos um familiar responsabiliza-se por resoluções de problemas e conflitos que não deveriam ser de sua preocupação. Veja alguns que estão recentes em minha mente.
  1. Filho que assumiu a posição de ‘chefe da casa’ após separação conturbada dos pais. Além de cuidar de si e de suas questões ‘adolescentes’, o filho sente-se na obrigação de cuidar da mãe e educar o irmão mais novo;
  2. Filho de pais que vivem em meio a separações e ameaças de divórcio. O filho vira mecanismo de reconciliação/separação do casal, sendo peça fundamental para que um ciclo briga-separa-volta se mantenha a todo vapor;
  3. Filha mais velha e adulta sente-se responsável por dar suporte a sua mãe (que criou a filha parte da infância sozinha), seja financeira ou emocionalmente. Tornando-se refém dos problemas da mãe, que são normalmente resolvidos pela filha ou não resolvidos para se manter esse tipo de relação;
  4. Irmã que sente-se responsável por cuidar dos irmãos e já na fase adulta continua a resolver os conflitos e arcar com despesas financeiras dos irmãos;
  5. Mãe que, apesar dos filhos já serem adultos e estarem casados, sente-se responsável por conduzir a vida dos filhos e assumir despesas e responsabilidades deles;
Ao expor os exemplos acima não me refiro a situações isoladas ou casos específicos. Me refiro a ciclos repetitivos que adoecem as relações e sobrepõem responsabilidades individuais, transferindo-as ao outro.
Em casos como os já citados todos têm prejuízos em suas vidas. Uma pessoa sobrecarrega-se, outra não amadurece, mantendo uma relação imatura, sem espaço para desenvolvimento com intuito de melhora.
Para alguns pode ser visto como prova de amor, mas não. Amor baseia-se em troca, respeito mútuo e limites. Estipular limites sim é uma prova de amor, amor ao outro e a si mesmo.

Normalmente quem se encontra neste tipo de situação enfrenta dificuldade em romper com o ciclo vicioso que retroalimenta, no entanto, é extremamente necessário que o indivíduo entenda o papel que vêm exercendo e o que o motiva a manter-se nessa posição (normalmente há algum ganho ou enrijecimento por um ganho do passado). A consciência do funcionamento familiar já é de grande valia já que muitas pessoas vivenciam essas situações sem nem ao menos perceber que algo está disfuncional, mesmo em casos em que haja sofrimento manifesto.

Em alguns casos uma conversa com alguém fora da família, como um amigo, poderá alertar e alterar o status da família. Outras vezes o processo terapêutico se faz necessário.
O processo terapêutico individual por si só já provocará desdobramentos no lidar deste individuo com seus familiares. Agora se o processo terapêutico for familiar, ou seja, todos os membros da família participarem, o processo poderá ser muito mais rápido, pois os conflitos referentes ao envolvimento e mecanismo familiar serão resolvidos por todos juntos, além de propiciar que todos entendam seu papel no funcionamento da família, possibilitando, assim, a escolha de permanecer retroalimentando os laços disfuncionais ou reescrevendo novas formas de organização e arranjo familiar.

domingo, 5 de fevereiro de 2017

A VIDA TE DÁ SINAIS, ANTES DE TE DAR ALGUÉM…



A VIDA TE DÁ SINAIS, ANTES DE TE DAR ALGUÉM…




Você quer alguém. todos queremos.O problema não é querer, é não saber enxergar quando se tem.
A vida dá um milhão de inacreditáveis sinais. Até irrita saber que muitas vezes simplesmente ignoramos. Às vezes por querermos tanto apenas aquilo que queremos e o que julgamos bom para nós, ao invés de valorizarmos o que temos e o que vida nos dá; às vezes pela insistência idiota em enxergar migalhas de qualidades em pessoas que nos dão gigantes pedaços de dor.
A vida é clichê, mas não é previsível.
Isso quer dizer que é verdade aquilo de que “o que passou, passou”, mas nunca sabemos como vai passar.
Sabe aquela pessoa que não presta, mas que você insiste em dar atenção? Ok, vamos suavizar: sabe aquela pessoa que só visualiza suas mensagens mas que você insiste em continuar conversando? (ps: Essas pessoas não prestam! Mas, diga, quem nunca? Então também não prestamos? Hm…) E aquela então que parece te anular dos planos e sempre tem uma desculpa para as suas ideias sobre o que fazer no fim de semana? Aqui temos dois lados:  1) você sendo honesto e fazendo o que pode para convencer esta pessoa como a quer bem; 2) você sendo cego e não enxergando que merece muito mais do que isso, que merece alguém que te faça sentir como você sempre fez todo mundo se sentir, que merece viver partes boas da vida já que a coleção de partes ruins já está cheia.
E como é que isso acontece?
Talvez começando a reparar nos sinais que a vida te dá.
Pensemos na essência do viver: a vida não é baseada na sua rotina de trabalho, casa, estudo, fim de semana, raiva da segunda-feira, trabalho, casa, fim de semana, raiva da segunda-feira, etc.
A vida é baseada em acordar, tomar um bom café, vestir uma roupa que gosta, colocar uma música boa nos fones, ler um bom livro na ida ao trabalho, dar o seu melhor no trabalho, ter uma volta tranquila, reservar um horário para a família e amigos, todos os dias até o fim de semana chegar e aproveitá-lo como desejar, agradecer pela folga, se preparar para a segunda-feira, se lembrar dos sonhos para realizar e de como você precisa se dar bem no trabalho para isso, acordar na segunda, tomar um bom café e por aí vai.
Muito mais que momentos, a vida é feita de segundos.
É dentro de um segundo despretensioso que está o like daquela pessoa naquela sua selfie, é num segundo que está o seu like naquela foto que curtiu pensando “hm, gostei dessa”, é dentro daquele segundo de: “oi, vamos fazer algo hoje?”, é dentro daquele segundo de “beleza, vamos!” depois de um “oi, vamos fazer algo hoje?”, é dentro daquela mensagem que pode ser recheada de malícia como quem não quer nada, é dentro daquele elogio surpreendente ao invés de só uma palavra qualquer para chamar atenção. Ufa! São tantos segundos que vivemos, tantas chances para aproveitamos, tantos sinais que a vida dá, antes de nos dar alguém.
Fonte : O Segredo